quinta-feira, 16 de julho de 2009

O Pai, a Mãe a Guidinha

Tirada na barroca em 1956, a nascente. A ponte ainda existe. A água ainda corre. Nós, os poucos que gostam de se meter nessa água gelada vinda dos lados do Pardino (que sei eu), depois da sesta, lanche num saco e ála para a barroca. Os cheiros a hortelã pisada e a tomilho, as pedrinhas de rio, as rãs ... Pena que destruiram o sítio onde podíamos chapinhar com alguma largueza. Dava para vestir fato de banho e molharmo-nos até à cintura, lá mais para o fundo.
Já nada está como estava. Piorou. Ao construirem outra estrada da Póvoa para o Vale Torto (já existia uma da Nacional 2 para a Ribeira e daqui para o Vale Torto), as máquinas que abriram a estrada seguiram e não voltaram atrás para limpar o que tinham estragado. Apesar da ponte antiquíssima que passa por cima dessa barroca ter sido poupada, ficaram calhaus que tombaram, terra, pedras soltas. As silvas e os fetos invadiram o local e hoje é praticamente impossível passarmos. Os caminhos entretanto fecharam, porque os pés das pesssoas preferem o alcatrão. Ai se me saísse uma qualquer sorte grande ... Afinal, qualquer máquina limparia o que está a obstruir o local, afundaria o lago que logo voltaria a encher e a vazar, seguindo o curso até à Ribeira e os novos pequenos, netos e bisnetos dos da terra, nas suas descobertas pedonais pela Cerdeira abaixo, decerto iriam apreciar ter um lago de águas frescas e cristalinas, que pertenceria a todos e que todos poderiam cuidar.
Foi o que fizeram noutras terras. Onde um curso de água passa, um açude nasceu. São outras gentes, outras mentalidades? Penso que sim.

Sem comentários:

Publicar um comentário